Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Mercúrio e Chumbo ameaçam comunidades amazônicas
24/07/2021 09:26 em Política

Os programas de intervenção são extremamente necessários para apoiar as comunidades amazônicas expostas à contaminação por mercúrio na América Latina e as crianças que estão entre as mais afetadas pelo envenenamento por chumbo.

A reportagem é de Nicolás de la Barrera, publicada por EcoDebate. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Essas são as conclusões de uma revisão de estudos realizados entre 2016 e 2021, publicada na Current Opinion in Toxicology, que também destaca a falta de dados para avaliar a real dimensão do problema.

A exposição ao chumbo e ao mercúrio é amplamente reconhecida como um problema de saúde pública global , afetando particularmente as crianças dos países em desenvolvimento.

Na Amazônia, a contaminação por mercúrio está ligada à mineração artesanal e em pequena escala de ouro, onde é utilizado no processo de purificação do ouro. O metal tóxico contamina os peixes, dos quais as comunidades indígenas dependem fortemente para se alimentarem .

A contaminação por chumbo na região mais ampla é causada principalmente pela exposição a lixo eletrônico, reciclagem de baterias ou fabricação de cerâmica esmaltada, de acordo com o estudo.

O autor do estudo, Jesus Olivero Verbel, da Universidade de Cartagena, Colômbia, disse: “A exposição a esses metais tóxicos é evitável, mas infelizmente as comunidades expostas recebem pouca ou nenhuma atenção do Estado para combater o problema. E se somarmos a isso a corrupção ligada principalmente à mineração, a solução está longe de ser alcançada ”.

Se não for controlada, acrescentou ele, a exposição ao mercúrio entre os povos indígenas na Amazônia “colocará em risco não apenas sua própria sobrevivência, mas a da própria Amazônia e, com ela, a do planeta”.

Em pessoas que vivem em aldeias amazônicas colombianas próximas aos rios CaquetáCotuhe e Apaporis, o mercúrio foi detectado no cabelo em níveis de até 23 μg / g (micrograma / grama). Isso se compara ao limite de um μg / g definido pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA e ao nível de 10 μg / g considerado alto.

No Brasil, entre a comunidade Yanomami que vive nas margens do rio Uraricoera, foi detectada uma média de 15,5 μg / g.

“Precisamos de programas que promovam a extração de ouro sem mercúrio, especialmente em comunidades que ancestralmente realizaram essas atividades, e que promovam a educação e a saúde ambiental para enfrentar o problema com o apoio da ciência”, disse Olivero Verbel.

Em estudos conduzidos no MéxicoBrasil e Uruguai, os níveis mais altos de chumbo no sangue foram encontrados entre os recicladores de baterias na Cidade do México – uma média de 69 μg / dL (microgramas por decilitro). De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, qualquer coisa acima de cinco µg / dl no sangue é considerada alta.

Dois anos atrás, o México estimou a contaminação por chumbo entre crianças de um a quatro anos. A epidemiologista ambiental Mara Tellez Rojo é uma pesquisadora do Instituto Mexicano de Saúde Pública, que não participou do estudo. Ela disse: “Consideramos que 17,5 por cento das crianças (1,4 milhões) têm envenenamento por chumbo. É uma situação muito preocupante.

“No México, a principal fonte de exposição é o uso de laje de barro esmaltado, que é feito à mão em fornos domésticos e envernizado com um esmalte à base de chumbo. Esta é a principal fonte de exposição. Mas sabemos que existem muitos outros, como mineração, certos tipos de tintas ou lixo eletrônico. ”

Em Montevidéu, Uruguai, um estudo recente com 259 crianças em idade escolar encontrou até 9,2 µg / dl de chumbo no sangue. Em uma comunidade pesqueira em Tasjera, Colômbia, em uma amostra de 554 crianças com idades entre cinco e 16 anos, a média foi de 8,9 µg / dl.

Mesmo em baixas concentrações, destacam os autores, os estudos associam o chumbo à deficiência cognitiva em crianças, bem como a alterações metabólicas, imunológicas e até genéticas.

Embora o mercúrio tenha efeitos neurotóxicos, pesquisadores destacaram a falta de informações sobre os impactos desse poluente, principalmente em comunidades étnicas.

México está atualmente elaborando um programa nacional para a prevenção da exposição ao chumbo. “Estamos desenvolvendo um sistema de vigilância epidemiológica”, disse Tellez Rojo. “É nossa principal recomendação não só para o México, mas para (todos) os países da região.”

Este artigo foi originalmente produzido pelo escritório da América Latina e Caribe da SciDev.Net e editado para ser breve e claro.

Referência

Jesus Olivero-Verbel, Neda Alvarez-Ortega, Maria Alcala-Orozco, Karina Caballero-Gallardo, Population exposure to lead and mercury in Latin America, Current Opinion in Toxicology, 2021, ISSN 2468-2020. Disponível aqui.

COMENTÁRIOS